Pandemia de Coronavírus, aos poucos, vai parando São Carlos

A pandemia prossegue em São Carlos/Maurício Duch

O decreto de sexta-feira, 13, do prefeito Airton Garcia deu a deixa necessária de que a cidade aos poucos vai parar. Foram cancelados eventos públicos organizados pela Prefeitura Municipal, suspensas as emissões de alvarás para qualquer realização que aglomere pessoas, bem como houve a recomendação para que quem tivesse alvará começasse a pesar se valeria a pena manter o evento em questão.

Para alguns até valeu, tivemos festas, show de cantor famoso e os bares estavam cheios de pessoas, porque ninguém ainda se tocou que o Coronavírus pode ser muito grave e fatal. Hoje a Câmara Municipal suspendeu sessões solenes e audiências públicas, a ACISC cancelou uma importante solenidade de inauguração e passou informações para comerciantes e comerciários.

Um dos motores da economia local também está paralisando suas atividades. A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) parou suas aulas no dia de hoje, após comemorar 50 anos com algumas aglomerações que no momento poderiam ter sido dispensadas.

A Universidade de São Paulo breca suas aulas e atividades a partir de amanhã, assim como está fazendo a particular UNICEP, mas essa desde hoje.

Das escolas, as estaduais param dia 23, mas já estão desertas em alguns lugares no dia de hoje, 16. Particulares como Colégio São Carlos, Cecília Meireles e outras instituições começam a divulgar comunicados explicando que paralisarão suas atividades. Na Rede Municipal, as aulas pararão na próxima segunda, acompanhando o governo estadual. Infelizmente, um mal que parece necessário neste momento agudo.

As igrejas, pelo menos a católica, tenta fazer mais missas para se espalhar o número de fiéis, a Congregação Cristã suspendeu seus cultos em todo o Brasil e se a pandemia piorar no Brasil, a tendência é que os serviços religiosos sejam freados pelo tempo necessário.

O intuito é tirar as pessoas da rua, numa cidade com sete suspeitos, que tem muita gente que viaja ao exterior por conta de seu poderio econômico e científico, essa medida é fundamental.

Sem gente andando na rua, usando carro para passeio, transporte público e etc, a circulação do vírus diminui e pessoas do grupo de risco como idosos e com doenças crônicas não serão atingidas facilmente.

Toda essa paralisia é necessária neste momento, por mais que alguns malucos terraplanistas digam o contrário e corram para passeatas malucas, mas é preciso se resguardar em casa e não fazer um churrasquinho com os amigos ou ir no restaurante. É o momento de se refletir e valorizar sua própria família, ou seja, ver o quanto é importante ficar pertos dos seus, saindo apenas para as necessidades mais prementes do dia a dia.

Não podemos deixar para nos importar somente quando alguém morrer em São Carlos, em São Paulo ou no resto do Brasil.

Hoje, as TVs mudaram a programação, o mundo está parado e São Carlos não é diferente. Esse esforço de agora, provavelmente, garantirá a vida no futuro.

A economia vai piorar, não apenas em São Carlos, mas no mundo inteiro, mas sem a vida, não há economia.

Renato Chimirri

Foto: Maurício Duch