Para Lucão Fernandes, tombamento do Edifício Euclides da Cunha valoriza patrimônio histórico

Para Lucão Fernandes, tombamento do Edifício Euclides da Cunha valoriza patrimônio histórico

O presidente da Câmara Municipal, vereador Lucão Fernandes (MDB) comemorou como um fato “altamente positivo para a preservação e valorização do patrimônio histórico de São Carlos” o tombamento em nível estadual do Edifício Euclides da Cunha, sede do Legislativo. A edição desta terça-feira (16) do Diário Oficial do Estado de São Paulo publicou a notificação de que o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico de São Paulo (CONDEPHAAT) aprovou o parecer do Conselheiro relator acerca do tombamento do prédio da Câmara e mais seis edificações na cidade.

Lucão Fernandes destacou o empenho da equipe técnica da Fundação Pró Memória, órgão atualmente presidido por Isabel Lima, no acompanhamento do processo. Ele observou que a partir do tombamento, mesmo que a Câmara Municipal venha a ter futuramente novas instalações,  que já se fazem necessárias,o Edifício Euclides da Cunha será preservado podendo, por exemplo, vir a sediar um museu do Parlamento. “O prédio tombado pelo CONDEPHAAT é reconhecido por seu aspecto arquitetônico, mas possui uma relevância histórica muito grande”, disse ele.

 Projetado pelo arquiteto Victor Dubugras, o edifício foi inaugurado em 1900  para abrigar o Poder Judiciário, o destacamento policial e a cadeia pública. A Câmara Municipal ali se instalou em 1952, quando passou ter a configuração atual, de Poder Legislativo. A denominação oficial ocorreu em 1960, quando era presidente da Câmara o professor e historiador Ary Pinto das Neves.

Além do prédio da Câmara foram tombados o palacete Bento Carlos, palacete Visconde da Cunha Bueno, o prédio da Escola Estadual Eugênio Franco, a praça Coronel Paulino Carlos, o prédio da CDCC e a estação ferroviária. No caso da estação ferroviária, fazem parte do tombamento o prédio principal, o armazém, a casa de rádio, casa de chaves, a casa de apoio e o prédio de toaletes da plataforma.

 DIGITALIZAÇÃO DE JORNAIS  – Ao comentar a decisão do CONDEPHAAT, o presidente da Câmara Municipal anunciou uma medida de sua gestão relacionada com a memória histórica da cidade: a digitalização de exemplares jornais da cidade desde 1965. O acervo disponível no Legislativo reúne coleções de periódicos da cidade que já foram extintos.

Segundo Lucão Fernandes, o objetivo do trabalho e da posterior digitalização é “disponibilizar o conteúdo no portal da Câmara na internet e permitir que essa fonte histórico-cultural tão importante possa estar acessível aos cidadãos”.