Pedir a intervenção militar no governo de quem?

Pedido de intervenção militar em frente ao Tiro de Guerra

Se vivêssemos numa ditadura militar as pessoas que hoje, neste domingo, 14, em plena pandemia se aglomeraram em frente do Tiro de Guerra pedindo intervenção militar em São Carlos não poderiam ter praticado tal ato. Na verdade, mesmo em dias democráticos como os de hoje, mas com a Constituição constantemente ameaçada, essas pessoas não cumpriram uma decisão judicial da Vara da Fazenda Pública de São Carlos que impede esse tipo de reunião por causa da pandemia de COVID-19 que tem matado pessoas todos os dias no município e no resto do país.

Esse pessoal que pede o fim do Supremo Tribunal Federal (STF) deveria entender que a corte mais alta do país deveria, em tese, guardar a Constituição e as liberdades e que numa ditadura ninguém poderia ter um julgamento justo seja por qualquer causa. Intervenção militar é algo que não existe, os militares, como prega a Carta Magna, devem obedecer uma autoridade civil, no caso aquele que estiver na presidência da República, aliás militares da ativa nem deveriam ocupar cargos civis no Governo Federal, se quisessem fazer isso, deveriam entrar para a reserva e assim passarem para o lado civil. Não devemos misturar esferas.

A pergunta que faço hoje é a seguinte diante do tal ato praticado por essas pessoas pedindo intervenção militar: qual governo vocês querem derrubar? O do Bolsonaro? Foi este governo que demorou para comprar vacinas (que já poderiam estar imunizando a população contra a COVID-19) e que agora atabalhoadamente tenta correr atrás do prejuízo, certo? Vocês estão indignados com as mais de duas mil mortes diárias que estamos observando neste momento da pandemia de COVID no país?  Não foi uma gripezinha, não é? Outra pergunta: vocês querem o fim deste governo (pois se pedem intervenção militar é para derrubar um governo eleito, no caso o atual, que provavelmente contou com o voto de vocês) por que ele nunca incentivou o uso de máscara e o distanciamento social para conter a COVID? São perguntas que ficam me batendo aqui em meu pensamento.

Sobre o pedido de ditadura militar (intervenção) deixo aqui uma definição sobre o AI-5 e me questiono se é isso realmente que essas pessoas querem:

O Ato Institucional Número Cinco (AI-5) foi o quinto de dezessete grandes decretos emitidos pela ditadura militar (1964-1985) nos anos que se seguiram ao golpe de estado de 1964 no Brasil. Os atos institucionais foram a maior forma de legislação durante o regime militar, dado que, em nome do “Comando Supremo da Revolução” (liderança do regime) que na verdade foi um ato de derrubada de governo eleito, inclusive com a mão norte-americana, exterminou até a Constituição da Nação que estava vigente. Eles foram aplicados sem a possibilidade de revisão judicial, ou seja, sem o amplo direito de defesa, garantia suprema de um estado democrático. O AI-5, o mais duro de todos os Atos Institucionais, foi emitido pelo presidente Artur da Costa e Silva em 13 de dezembro de 1968. Isso resultou na perda de mandatos de parlamentares contrários aos militares (fim da oposição), intervenções ordenadas pelo presidente nos municípios e estados e também na suspensão de quaisquer garantias constitucionais (inclusive o direito à manifestação) que eventualmente resultaram na institucionalização da tortura, comumente usada como instrumento pelo Estado. Pessoas morreram por causa do AI-5, simplesmente porque não concordavam com o regime vigente imposto pelos militares em 31 de março de 1964.