Pico de internações e nova cepa de COVID devem fazer governo endurecer restrições em SP

Gabbardo falou de novas restrições

O pico de internações pelo qual passa o Estado de SP na pandemia de COVID-19 com 6410 pessoas na UTI deverá fazer com que o Plano SP que combate à pandemia seja endurecido em alguns aspectos e isso foi enfatizado no dia de hoje, 22, durante a coletiva de imprensa do governo estadual no Palácio dos Bandeirantes. Não teremos um novo plano, mas ajustes pontuais para tirar as pessoas das ruas e assim fazer o vírus circular menos pelas cidades.

João Gabbardo, médico e coordenador executivo do Centro de Contingência da COVID-19, enfatizou que não houve um aumento significativo no número de internados, mas a permanência dos pacientes nos hospitais tem sido maior. Como o São Carlos em Rede tem enfatizando há semanas, os pacientes estão ficando quase 40 dias internados, o que antes não passava de quinze, eles também necessitam, em muitos casos, de hemodiálise e infelizmente o número de óbitos aumentou significativamente nos últimos tempos, o que mostra um novo perfil do vírus.

As medidas apresentadas pelo Centro de Contingência são chamadas de extraordinárias e devem ser anunciadas na quarta-feira. Ninguém tocou na hipótese durante a entrevista, porém informações dão conta de que pode haver toque de recolher durante o período noturno para barrar a transmissão do vírus.

O Estado prega que independente de ser ou não uma nova cepa em circulação, é preciso que o isolamento social seja aumentado para que a contaminação caia. Cidades como Araraquara (que está em lockdown), Jaú e Araras já confirmaram a presença da variante P.1 que surgiu em janeiro no Amazonas em pacientes. Há uma expectativa de que ela esteja circulando por mais cidades da região, Ribeirão Preto marcou coletiva nesta segunda para falar sobre o assunto.