Prefeitura monitorará o isolamento social via celular, mas precisa divulgar os bairros das pessoas infectadas pela COVID-19

Celulares: de olho nos deslocamentos

Com 70 casos confirmados de COVID-19, um aumento expressivo nos últimos dias, sobretudo no mês de maio, a Prefeitura de São Carlos monitorará o isolamento social nas 85 regiões da cidade através da tecnologia e dos 82 mil celulares ativos nas mãos dos são-carlenses. O método é semelhante (para não dizer igual) aquele usado pelo Governo do Estado que diariamente passa para a sociedade qual é o percentual de isolamento em alguns municípios paulistas durante essa quarentena causada pelo Coronavírus. A própria administração municipal garante que o programa de monitoramento não tem acesso ao nome da pessoa, mas sim ao deslocamento com o celular.

A análise observa onde está o aparelho entre as 22 e as 6 horas da manhã, ou seja, quando a maioria está dormindo, sendo assim, qualquer deslocamento com mais de 50 metros é avaliado pelo sistema como quebra do isolamento social.  A Prefeitura afirma que não vê quantos aparelhos estão na região, o que lhe é passado pela empresa que monitora o sistema é o percentual, sem dados confidenciais como nomes e modelos celulares em questão. Com os percentuais, o mapa das regiões são-carlenses mostram o isolamento.

A questão é que em São Carlos com o número de casos subindo seria importante que os bairros onde os contaminados estão ou estiveram (porque muitos deles estão livres da doença e isso é muito bom!) fossem divulgados. Para ver como é feito, não basta ir muito longe, basta observar a Prefeitura de Araraquara que há tempos lidera o índice de infecções na região, mas também com absoluta transparência repassa à imprensa diariamente os locais onde foram registrados, seria pedir demais que a Prefeitura de São Carlos fizesse isso e deixasse de tratar a questão como segredo de Estado? Tudo neste caso parece ser muito lento, não duvido da transparência das ações, porém peço celeridade sim, para que tenhamos uma mapa simples a fim de sabermos onde são os locais em que o Coronavírus mais se espalhou, isso não é fofoca, mas sim informação de utilidade pública, afinal de contas, se esse monitoramento ajudará no combate à doença, divulgar os bairros, o que já deveria ter sido feito no início dos trabalhos e de maneira diária seria o mais correto.

A Prefeitura parece que ignora um princípio básico: há pessoas em São Carlos e no resto do Brasil que acham que a COVID-19 é uma mentira, e alguns desses lunáticos passam o dia todo nas redes sociais tentando desmerecer o trabalho de médicos, pesquisadores e também da imprensa, nem com mais de mil mortes diárias, alguns ainda acreditam, preferem compartilhar o vídeo fake sobre os caixões vazios, que na verdade eram de outra situação. Está na hora da Prefeitura de São Carlos fazer sua parte nesta questão.

 

Renato Chimirri