Prefeitura pretende mudar camelódromo de lugar na Baixada do Mercado

Secretário falou sobre mudanças

O secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano da Prefeitura de São Carlos, João Muller, explicou na audiência pública de ontem, 16, na Câmara Municipal que debateu a questão do camelódromo e também a revitalização do Centro da cidade que a administração não trabalha para retirar os camelôs da Baixada do Mercado, mas sim para revitalizar o local.

Segundo Muller, estes são os projetos para a região: o primeiro deles é o do Calçadão da General Osório que deverá começar no final do mês com o que ele chamou de requalificação. O segundo é transformar em realidade a Praça de Alimentação na região do Mercado que é um projeto antigo que vem desde o governo Newton Lima,  o terceiro diz respeitos aos terminais de ônibus que serão instalados na avenida São Carlos e na Dona Alexandrina e que serão integrados, o quarto é passar os camelôs para a avenida Comendador Alfredo Maffei e no local onde estão as barracas se criar vagas de estacionamento.

As obras dependem de recursos financeiros, agora as primeiras intervenções na General Osório começarão por meio de uma parceria entre a Prefeitura e a Acisc. “Na Praça e o Mercado, as intervenções poderiam ser realizadas por meio de uma outorga onerosa para fazer esses investimentos, o que foi apresentado na Câmara Municipal, as obras, custariam pelo menos R$ 2 milhões, R$ 900 mil o secretário de Trânsito e Transporte disse que tem, da contribuição chamada CIDE que vem dos combustíveis, precisamos de mais de R$ 1,2 milhão para transformar isso em realidade, pode ser que aconteça rapidamente ou então fique projetado para o próximo prefeito, é importante colocar para a sociedade o que vem acontecendo para não serem pegos de surpresa”, salientou.

Muller também explicou que o Mercadão em tese não pertence a Prefeitura, pois em 1964 houve uma troca de áreas entre a administração e a empresa que construiu a obra e que o município ficou com onze lojas dentro do prédio. O Mercadão nada mais é que um condomínio de 150 lojas onde a Prefeitura é dona de 11. “Todo mundo fala que é o Mercado Municipal, mas ele é particular, a intenção é mudar o nome para Novo Mercado de São Carlos”, afirmou.

O secretário descobriu essa informação pois levantou a documentação sobre a constituição do Mercado porque pretendia fazer a alienação dos boxes e  levantar dinheiro para esse projeto. A Prefeitura é apenas condômina, porém não tem a escritura com a matrícula desses locais. A intenção da Prefeitura é regularizar a situação e Muller informou que vem trabalhando junto com o síndico do local para isso. “Muitos ali são donos dos seus boxes através de usucapião”, relatou.

O trabalho do secretário e demais membros da Prefeitura prossegue.