Qual será o maior desafio do próximo prefeito de São Carlos?

A cidade tem que ser debatida

O primeiro compromisso público do novo prefeito de São Carlos será colocar um ponto final na falta de água que assola parte da cidade. Não é mais possível que tenhamos relatos de gente dando conta de que está há cinco, seis ou sete com o fornecimento de um serviço básico interrompido em plena pandemia de COVID-19. Quando um leitor nos procura para relatar a falta de água nós já sabemos do problema e nem temos muito o que dizer junto a ele, apenas lamentamos o seu tormento.

O fato é que seja quem for que sentará na cadeira número 1 do Paço Municipal será preciso que essa pessoa tenha o exato senso de que essa é a maior chaga que precisa ser resolvida no momento, já que o recapeamento é um fator que o atual mandato deu conta com relativo sucesso.

O SAAE, autarquia que cuida da produção e distribuição de água na cidade, precisa ser claro e explicar porque os bairros sofrem tanto com um serviço deficiente e dar um norte do que precisa ser resolvido para acabar com ou pelo menos amenizar esse fardo tão pesado. Eu, particularmente, sou contra a privatização do SAAE porque vi em várias localidades da região a concessão do serviço ser realizada e apenas as tarifas subirem e a qualidade daquilo que é oferecido continuar da mesma forma ou até pior. O que realmente o SAAE precisa é ser eficiente e em São Carlos temos o Departamento de Hidráulica e Saneamento da USP, um dos melhores do Brasil, que certamente não se furtaria a ajudar São Carlos nessa empreitada. Basta lembrar que o melhor diretor da autarquia foi Jurandyr Povinelli, um grande professor deste departamento e da Escola de Engenharia de São Carlos.

Os trabalhadores não podem mais chegar em suas casas com a torneira soltando apenas ar, as trabalhadoras não tem como cuidar de sua família se não podem sequer tomar um banho decente depois de mais um dia de labuta. É inacreditável que isso aconteça na chamada capital da tecnologia com tantos doutores e soluções inovadoras. O que mata por aqui é a política, os políticos tem mentalidade atrasada, muitos estão preocupados com questões de gênero hoje já consagradas com algo normal na sociedade, mas não pegam realmente naquilo que aflige à grande maioria da população.

O próximo prefeito que até pode ser o atual (só saberemos isso depois que as urnas forem abertas) terá a oportunidade de lançar mão de uma prioridade básica: abastecimento de água e coleta de esgoto em 100% dos domicílios de São Carlos. Quem não pregar isso na campanha não merece o seu sagrado voto.

 

Renato Chimirri