Quando seu amigo é internado com COVID e você apenas pode rezar

Uma prece pelos doentes

A frase do secretário de governo e advogado, Edson Fermiano, é muito certa. Ele diz o seguinte: “Amigo é amigo, oras!” Tipo assim: com um amigo você pode sempre contar. Ao longo dos anos a gente conhece muitas pessoas por causa dessa profissão e o José foi um dos que aos poucos fui conhecendo e gostando.

Pensa em um cara gente fina? Pensou? Então, José é mais que isso. Uma pessoa legal, solícita, sempre pronta para ajudar e também para lhe dar uma opinião, uma luz quando você precisa. O Zé é assim, um cara pronto, bacana e que conhece um mundaréu de gente, pois ao longo de sua vida já passou por vários locais.

Mas o Zé, apesar de ser super, não está imune aos perigos desse momento difícil que vivemos e na semana passada me contou que havia recebido o diagnóstico positivo para a famigerada COVID-19.

Lógico que um alerta se acendeu, eu fiquei muito preocupado e ele ainda mais, até porque sua esposa também teve o mesmo diagnóstico. Procedimentos básicos realizados: isolamento, saturação medida de hora em hora, medicamentos paliativos (porque não há tratamento precoce para a COVID e quem pensa isso é um bocó de mola!) e se foi tocando a vida.

Todos os dias sempre conversava com ele para saber como estava. Um dia bem, no outro dores no corpo, mas respirando bem, dores de cabeça até que de sábado para domingo perguntei novamente sobre sua condição e ele me disse: “Renato, essa madrugada foi a pior, dores no corpo, na cabeça, vomitamos muitos, tudo o que comemos não para no estômago!”

Sabe, nessa hora você nem tem o que falar, apenas tenta motivar, dizer que vai passar, que tudo ficará bem, mas sua preocupação é grande. Hoje, ao longo do dia fui conversando para ver como ele estava e uma frase resumiu tudo: “Um mal-estar do cão!”

Por volta das 15h mandei mensagem para saber como ele estava e não houve resposta. Passou uma meia-hora ligou o Rik, um outro amigo querido dizendo que o Zé estava mal e precisava ser internado, pois tinha falta de ar.

É neste momento que você não sabe o que fazer, que perde o chão, que fica sem lastro e sem nenhuma vontade de comentar nada. A COVID está, novamente, batendo em sua porta, atingindo gente que, praticamente, é da sua família, destruindo sua confiança de que tudo vai melhorar.

Para piorar as coisas ainda vemos pessoas que não querem usar máscara, se aglomeram, não respeitam os demais e nem os protocolos sanitários, estamos com quase 500 mil mortos no Brasil e as pessoas ainda não entenderam que fatalmente alguém da sua família será contaminado pelo vírus e poderá desenvolver a forma grave da doença.

Hoje, é o meu amigo Zé que está no hospital, amanhã pode até ser eu, você ou sabe-se lá quem. Passou da hora exigirmos vacinação rápida e também cadeia para quem desrespeita as medidas básicas de proteção. Idiota é quem acha que isso é uma gripezinha.

Força, Zé! Logo isso passará!

Renato Chimirri