Roselei quer ouvir população sobre iluminação pública

Roselei reconhece o esforço da Prefeitura de São Carlos para que a manutenção seja feita em dia

As reclamações da população pela falta de manutenção da iluminação pública de São Carlos por parte da empresa concessionária levaram o presidente da Câmara Municipal, Roselei Françoso (MDB), a solicitar a elaboração de uma consulta pública como primeiro passo para as providências necessárias quanto à manutenção.

“Estamos acompanhando os esforços da Prefeitura, via Secretaria de Serviços Públicos, quanto à iluminação pública, mas a empresa está deixando muito a desejar nas manutenções”, frisa o vereador Roselei.

Segundo ele, os vereadores têm recebido inúmeras reclamações sobre a falta de manutenção da CPFL Paulista, que mesmo quando acionada, tem dificuldade em atender os chamados em um prazo adequado. “São vários pontos na cidade com lâmpadas queimadas ou com falta de postes para iluminação”, detalha.

 “No Clube da Tecumseh tem um projeto social de tênis belíssimo que atende dezenas de crianças carentes, muitas delas saem no início da noite naquela escuridão”, destaca Roselei. O local também é utilizado por moradores próximos para caminhadas e passeios de bicicleta.

Entre os locais com mais reclamações, além da rua Kenneth Gilbert Herrick onde fica o Clube da Tecumseh e que é utilizada também para acesso aos condomínios do Damha, estão o pontilhão da Travessa 8 na Vila Prado, a Estação Fepasa, algumas praças da cidade, locais no Jardim Novo Horizonte, Jardim Tijuca e Cidade Aracy. “Infelizmente a manutenção feita pela empresa não é suficiente para solucionar todos os problemas”, destaca.

Roselei reconhece o esforço da Prefeitura de São Carlos para que a manutenção seja feita em dia. “O secretário Mariel Olmo tem atuado de maneira firme para buscar soluções”, destaca. Recentemente a Prefeitura e a CPFL anunciaram um investimento de R$ 8 milhões em lâmpadas LED.

“Sem dúvidas que isso é positivo, serão 10 mil pontos novos de luz que trarão mais economia e luminosidade, mas não podemos tolerar a falta de manutenção nos locais afastados e isolados da cidade. Estamos falando de segurança pública”, explica Roselei.

Consulta – De acordo com Roselei, o objetivo da consulta pública é ouvir a população sobre os principais problemas relacionados ao tema, como interrupções abruptas, regiões da cidade mais afetadas, tempo de retorno da empresa para conserto e substituição de lâmpadas queimadas. “Com essa iniciativa vamos formalizar e consolidar as reclamações da população para, num segundo momento, tomar outras medidas mais efetivas, como a realização de uma audiência pública e a representação junto aos órgãos competentes”, explica.