Santa Casa propõe montar pronto-atendimento no hospital para viabilizar o funcionamento de 10 novos leitos adultos de UTI Covid-19

Santa Casa apresenta proposta

Os diretores e a equipe médica e administrativa da Santa Casa receberam nesta terça-feira (7), no auditório do hospital, representantes da Prefeitura, da Câmara de Vereadores, da ACISC e do CIESP, para discutir sobre alternativas para viabilizar a abertura de 10 novos leitos de UTI Adulto para pacientes com suspeita de COVID-19.

 

A Santa Casa propôs transformar o Centro de Campanha – onde hoje são atendidos os pacientes com sintomas respiratórios leves – em uma Unidade de Pronto Atendimento. Nesta nova unidade, vai haver 2 consultórios, 2 salas de observação, 1 sala de procedimentos, 1 sala de emergência, 1 sala de triagem e um espaço amplo para recepção.

 

Nessa nova organização, o SMU (Pronto-Socorro da Santa Casa hoje), passaria a receber os pacientes mais graves (vítimas de acidente ou com sintomas de AVC, por exemplo) trazidos pelo SAMU e pelo Corpo de Bombeiros.

 

E os pacientes com sintomas respiratórios leves que antes se dirigiam ao Centro de Campanha, vão ser atendidos em unidade da Prefeitura, que vai ser montada ao lado da UPA da Vila Prado. A Santa Casa também vai disponibilizar exames de Raio-X e de sangue em apoio às UPAs.

 

Com essa reestruturação, vai ser possível colocar 10 novos leitos de UTI Adulto COVID em funcionamento na Sala Verde do SMU da Santa Casa.

 

“Como a Secretaria de Saúde relatou as dificuldades que ainda enfrenta para reestruturar as UPAS e absorver os pacientes que hoje são atendidos pela Santa Casa, resolvemos então montar uma unidade de Pronto Atendimento dentro do hospital. Dessa forma, a população não vai ficar desassistida e conseguiremos, também, garantir a segurança tanto dos nossos funcionários quanto dos pacientes internados com suspeita de COVID na nova ala que vai ser montada na Sala Verde”, explica o diretor técnico da Santa Casa, Vitor Marim.

 

Para que essas mudanças saiam do papel, a Santa Casa precisa de mais profissionais de saúde, já que o hospital vai passar a ter 2 unidades de pronto atendimento.

 

 

Para isso, o secretário da Fazenda, Mario Antunes, afirma que “o recurso não pode ser um impedititivo para andamento desse projeto, que é tão fundamental para mantermos a qualidade do atendimento da saúde em São Carlos”.

 

 

ENTENDA O CASO

 

No dia 2 de julho, a Câmara de Vereadores convocou uma audiência pública para discutir sobre a instalação dos 10 novos leitos de UTI Adulto COVID na Santa Casa.

 

Na ocasião, o diretor clínico da Santa Casa, Flávio Guimarães, explicou que para colocar os 10 novos leitos em funcionamento o mais rapidamente possível, o espaço mais adequado seria a Sala Verde do SMU, por já possuir uma estrutura pronta para abrigar leitos de UTI, como rede de oxigênio e rede de ar. No entanto, para que essa NOVA ALA COVID pudesse ser usada, somente os casos mais graves, de alta complexidade, deveriam passar a ser direcionados para a Santa Casa. “Isso porque não seria possível atender em um mesmo espaço, pacientes de baixa complexidade que poderiam ser atendidos em outras unidades (como as UPAs e Unidades Básicas de Saúde) e pacientes com suspeita de COVID. Porque isso colocaria em risco a saúde de quem procurou o hospital por outras doenças”, afirmou o diretor clínico.

 

O Secretário de Saúde, Marcos Palermo, e outros representantes da saúde, por outro lado,

relataram que as UPAs não tinham estrutura para absorver os atendimentos feitos hoje na Santa Casa. Por isso, a Santa Casa propôs abrir uma unidade de pronto atendimento dentro do hospital.

 

“A Santa Casa tem feito todo o esforço para pensar em alternativas e estratégias para viabilizar os novos leitos de UTI. Penso que, com essa nova proposta do hospital, não podemos mais perder tempo. Temos que fazer um esforço conjunto, para que tudo isso comece a funcionar o quanto antes”, afirma o vereador Paraná Filho, que convocou a audiência pública na semana passada.

 

“Muito importante a Santa Casa ter, mais uma vez, oferecido uma alternativa para a saúde do município. Mas não temos que começar a estudar e a estabelecer prazos para reorganizar o fluxo dos atendimentos em saúde de São Carlos, de acordo com o que estabelece o Ministério da Saúde”, afirma o vereador Elton Carvalho, presidente da Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores.

 

O Secretário de Saúde, Marcos Palermo, reforçou que os 10 novos leitos devem ser mantidos no hospital pós-pandemia. “Os leitos de UTI não COVID da Santa Casa estão todos ocupados. A taxa de ocupação tem se mantido em 100%. Por isso, a criação desses novos leitos é um investimento na saúde em São Carlos. A ideia é de que eles sejam mantidos, mesmo depois da pandemia”, afirma o secretário.

 

Também participaram da reunião desta terça-feira, 7 de julho, o provedor da Santa Casa, Antonio Valério Morillas Júnior; a vereadora Cidinha do Oncológico; a diretora da Vigilância em Saúde Epidemiológica, Crislaine Mestre; a supervisora da Vigilância Sanitária, Fernanda Cereda; Mateus de Aquino, secretário de Comunicação e presidente do Comitê Emergencial de Combate ao Coronavírus, Mário Antunes, secretário da Fazenda; Caco Colenci, secretário de Planejamento e Gestão; Alexandre Carreira Martins Gonçalves, procurador geral do município; Rodolfo Tibério Penela, diretor de Fiscalização; Hícaro Leandro Alonso, diretor de Procedimentos Licitatórios da Prefeitura e também membros do comitê emergencial; o diretor do CIESP, Emerson Chu; e o secretário-geral da ACISC, Mozart Pedroso.

Fotos: Paulo Melo