São-carlense, gás de cozinha não cura o Coronavírus!

Gás discussão de preço/Foto: Marcelo Casal Jr

 

A pandemia de Coronavírus está assustando todas as pessoas. A velocidade do contágio pelo vírus é o problema e não a sua letalidade que chega quase em 2%, contudo se muitas pessoas tiverem a Covid-19 ao mesmo tempo não há sistema de saúde que resista. Daí, o distanciamento social que é dolorido, mas necessário.

Porém, um fenômeno curioso tem acontecido em São Carlos, em São Paulo e demais cidades do Brasil que é o estoque de mercadorias. As pessoas estão com medo e achando ainda que vivem na Idade Média e por isso precisam estocar para não ficar sem. Ledo engano…

A alta na demanda pelo gás de cozinha no estado de SP fez com que o produto chegasse na capital a R$ 130 em algumas distribuidoras, ou seja, o dobro do preço normal que é de R$ 70 (o que já é bem caro!).

O preço subiu pela alta na demanda e também por um atraso no engarrafamento de botijões e já teve reflexo em São Carlos. Ontem, alguns locais não tinham mais o produto para vender e outros estavam comercializando-o apenas com uma unidade por cliente, medida acertada, pois isso dá oportunidade para todos que pretendem comprar seu gás.

Porém, é preciso chamar a atenção do são-carlense: não há motivos para correria em supermercado, sacolões, açougues, distribuidora de gás e água ou qualquer outro serviço. No momento, não temos desabastecimento e pelo que se vê isso não será registrado, o que há é formação de aglomerações de pessoas sem necessidade nestes locais facilitando a disseminação da Covid-19.

O consumidor local precisa entender que gás de cozinha não cura o Coronavírus, mas distanciamento social acaba com a transmissão e nos permitirá voltar para as nossas vidas normais em breve. Estocar qualquer coisa é desfavorecer quem pode realmente estar precisando disso, sem contar o reflexo econômico, pois a falta pode demandar um aumento de preço e ninguém quer isso, tanto que o governo do Estado de SP anunciou que colocaria o Procon para fiscalizar as revendas do produto numa medida mais do que acertada.

Em São Carlos, vemos locais que vendem gás a R$ 77 e dá para fazer um pequeno paralelo, com a baixa na demanda por combustíveis, vemos postos de gasolina nas redes sociais colocando preços perto dos R$ 2,39 por litro para o etanol, coisa impraticável até meses atrás. Querem apostar que quando tudo estiver normalizado eles irão esfolar o cliente novamente?

Por isso, o mesmo se aplica ao caso do gás de cozinha, se comprarmos apenas o essencial, sem o desespero que alguns estão demonstrando poderemos ver, em breve, esse preço ser mais convidativo para o nosso bolso.

A ideia é não se apressar e lembrar sempre daquele samba: “Desesperar, jamais!”

E fique em casa!

 

Renato Chimirri