São-carlense que quebra a quarentena ajuda o Coronavírus a circular

Fica em casa!

 

Antes de dizer qualquer coisa, vale lembrar que o município investiga DEZ MORTES, isso mesmo que você leu, dez mortes que podem ter sido causadas pelo Coronavírus. A solidariedade à família dessas pessoas é algo que precisamos novamente transmitir aqui, não podemos abraça-las fisicamente por causa desse momento atribulado (que vai passar, se Deus quiser!), mas o registro tem que ser feito.

Outro dado que temos que recordar: mais de 80% dos casos de Coronavírus são assintomáticos, ou seja, as pessoas tem o vírus, mas não desenvolvem os sintomas, porém se saírem às ruas estão levando a doença para gente que pode ser do grupo de risco e assim desenvolver a moléstia em sua forma mais grave, podendo até morrer. Se isso, não lhe comove e convence a fazer o distanciamento social posso afirmar aqui que seu caso é perdido. Quantas pessoas você precisará ver morrer de maneira suspeita para entender que “ficar em casa” é a melhor forma de quebrar a cadeia de transmissão?

O Coronavírus não é uma gripezinha, ele mata, vejam o Primeiro-Ministro Britânico, Boris Johnson que precisou ser levado para um hospital depois de ficar uma semana com a doença em sua casa. O vírus não distingue corrente política, religião e muito menos classe social, se o distanciamento não for cumprido ele atingirá a todos.

O são-carlense que pede o comércio aberto hoje é o mesmo que se esquece que morto não compra. Eu entendo todos os danos que podemos ter economicamente com a quarentena, mas qual é a outra opção? Morrer? De uma quebradeira comercial a gente se levanta, mas do caixão ainda não, desconheço qualquer humano, com exceção de Jesus Cristo (mas Ele era Deus), que derrubou a morte.

O pior de tudo é ver gente inteligente desrespeitando o distanciamento social, reclamando da interdição do kartódromo, aglomerando em mercado para comprar carvão e fazer festa. Ontem mesmo, a Prefeitura fechou um local com 40 pessoas, isso mesmo, 40! Já pensou se alguém do lugar estivesse contaminado? Quantas outras pessoas podem ser atingidas pelo vírus?

É hora do são-carlense pensar e não se transformar num potinho de vírus, ande dentro de casa e saia apenas para o básico, vejam a Itália, depois de uma dura quarentena, pois não quiseram fazer o isolamento social, se começa a falar em retomada gradual. Milhares de corpos empilhados foi o resultado do desrespeito. Será que os são-carlenses querem isso para a cidade? É o momento de pensar em todos e não apenas no próprio umbigo.

Renato Chimirri

Imagem de enriquelopezgarre por Pixabay