São Carlos, a cidade das duas estações: enchentes e queimadas

Duas estações: pobre São Carlos

A professora Claudia Souza fez uma perspicaz observação em suas redes sociais. Ela disse que São Carlos se transformou na cidade das duas estações: a das enchentes e das queimadas. E não é que ela tem razão?

Chega outubro, novembro e dezembro e o que temos na cidade? Chuvas torrenciais, tempestades, vendavais e o resultado disso qual é? Sim, Baixada do Mercado alagada, Cristo do Shopping nadando nas águas mais profundas, deslizamento de terras, base da Guarda Municipal navegando no Mercadão, Praça Itália parecendo o Mar Vermelho, Pontilhão da 8 repleto de água e muitos prejuízos para os comerciantes. Não dá para esquecer que áreas como o Cidade Aracy, Santa Felícia e Kartódromo também alagam.

Quando o Toninho Calçados tinha loja na esquina de amizade todos já esperavam pela inundação, depois o tradicional e simpático comerciante mudou de local, afinal de contas quantas enchentes ele viu? Falam em obras, se libera dinheiro, a concessionária tal diz que vai ajudar, mas o fato é que as enchentes estão cada vez piores e assustando mais.

Porém, quando chega o inverno, além das geadas e dias congelantes que tivemos recentemente, a segunda estação começou a se manifestar em São Carlos: a das queimadas. São mais de 500 ocorrências, vegetação nativa destruída, animais mortos em profusão, o ecossistema completamente acabado e a qualidade do ar cada vez pior.

Ontem, observamos o céu se transformar em sangue fruto da mistura de fuligem, fumaça e secura, graças ao incêndio gigante que se abateu na região da Represa do 29. A destruição no local foi imensa, isso também ocorreu em áreas da UFSCar que levou uma multa de quase R$ 450 mil. Recentemente, incêndios destruíram a região do Broa, ontem havia fogo nas imediações da fazenda São Miguel, em Santa Eudóxia e Água Vermelha a mata também já ardeu por diversas vezes.

Não dá para imaginar que tenhamos apenas um incendiário fazendo isso, porque há focos de fogo que ocorrem ao mesmo tempo, porém dá para pensar num efeito dominó ou em um imitador, ou seja, quando um idiota ateia fogo em determinado lugar, um outro imbecil vê aquilo e se sente empurrado para fazer tamanha barbaridade, isso realmente pode acontecer, até em estudos de criminologia vemos esse tipo de situação se aplicando.

Com isso, em plena pandemia de uma doença respiratória que matou mais de 500 pessoas em São Carlos, o ar está irrespirável, passamos pelo sortilégio de ver  qualquer problema respiratório ficar ainda pior, porque o ser humano é feito de uma dose de insanidade misturada com imbecilidade.

Aqui também vai um puxão de orelhas na Prefeitura de São Carlos que deveria ter um departamento ambiental competente, melhor aparelhado e com fiscalização verdadeira para dar exemplo e mandar para a cadeia quem comete este tipo de crime. Como os políticos não vão aprender nada com o que estamos passando hoje esqueçam a Primavera, o Verão, o Outono e o Inverno, porque agora só temos enchente e queimadas.

Cuidado para não se afogar no início do ano e não morrer queimado no meio dele.

Renato Chimirri