São Carlos deverá ganhar complexo comercial e residencial ao lado do SESC

Cidade: investimento em região central

São Carlos deverá ganhar novas áreas urbanizadas. Um dos locais que devem receber prédios residenciais é o terreno que fica ao lado do SESC na avenida Comendador Alfredo Maffei, a revelação veio do secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano, João Muller. “Esse é um vazio urbano em área nobre da cidade”, afirmou.

Segundo o secretário a família dona da área apresentou projeto à Prefeitura e agora está sob a análise da Comissão de Avaliação de Projetos. “A proposta é interessante, está sendo analisada a questão viária pela secretaria de Trânsito, mas posso antecipar que uma vez aprovado e tendência é que isso ocorra, assim como nos conselhos municipais, teremos ali torres com apartamentos para a classe média e média-alta além de uma parte comercial de frente para a avenida Comendador Alfredo Maffei, na avenida Paulista, no Jardim Gilbertoni, teríamos outras três torres que seriam o Minha Casa, Minha Vida Master que é para as pessoas com renda próxima a R$ 5 ou 7 mil”, revelou.

Muller explicou que este é um vazio urbano que há muito tempo se diz que será ocupado e que agora com o projeto apresentado pode acontecer. “Ali não se tem supressão de vegetação, no caso a questão ambiental, a tendência é que aprove rapidamente”, disse.

No local são previstas pelo menos de 600 a 700 unidades. “Se contarmos as quatro torres direcionadas para classe média e média-alta, além das outras por volta dessas 600 a 700 unidades com prédios comerciais, a grande discussão que fazemos sobre a questão comercial é se teremos uma via paralela ou se existirá apenas uma desaceleração na frente de cada salão destinado para atividade comercial”, pondera.

Essa discussão viária é travada no momento pelo secretário de Trânsito, Coca Ferraz, e pelos empreendedores. “Na comissão avançou bastante, ficou a discussão da questão viária e parte comercial, o restante está definido”, avaliou.

Um empreendimento deste tipo leva pelo menos de seis a oito meses para ser aprovado. O projeto precisa aprovado em São Carlos, depois passa pelo GRAPROHAB (Grupo de Análise e Aprovação de Projetos Habitacionais do Estado de São Paulo)  em São Paulo. “Tenho impressão que no final de 2020 teremos início das obras neste local”, acredita.

Aliás, há outro vazio urbano que deverá ser alvo de empreendimentos e fica numa área da Bruno Ruggiero, atrás do Faber 2. “Esse empreendimento está judicializado, teremos uma audiência no dia 26 com a juíza da Vara da Fazenda, a tendência é homologarmos um acordo entre a Prefeitura e os empreendedores, pois há uma questão entre uma troca de área de lazer e uma institucional, se tivermos a homologação da magistrada ou sua orientação para encaminharmos um projeto de lei para a Câmara tenho a impressão que no começo do ano teremos obras naquela região”, projeta.

Fotos: Maurício Duch