Secretário explica revitalização da Baixada do Mercado e instalação de terminais de ônibus

Terminais estão sendo construídos no Centro

O secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano, João Muller, explicou os investimentos para a revitalização do Centro de São Carlos, bem como a questão dos terminais de ônibus que estão sendo construídos na Praça dos Voluntários entre a avenida São Carlos e a rua Dona Alexandrina. Confira o pingue-pongue:

 

A região central precisava de investimento na troca de seus pontos de ônibus na avenida São Carlos e Dona Alexandrina?

 

João Muller: É uma decisão administrativa de quem governa a cidade no momento. Chamada de poder discricionário. Se entendermos que a região central é o coração comercial e a cidade é a Capital da Alta Tecnologia e recebe naquela região diariamente milhares de pessoas do centro, da periferia, de outros municípios e até de outros países, certamente sim, inclusive com a melhoria qualidade do sistema de transporte público. Os abrigos anteriores, de policarbonato, elevavam em até 10° C a temperatura em relação ao ambiente externo, causando desconforto aos usuários do transporte público.

 

Qual a diferença do ponto de ônibus para o chamado terminal urbano?

João Muller: O ponto de ônibus tem a dimensão para abrigar no máximo uma dezena de pessoas, com a parada de um único veículo. O terminal tem a dimensão para abrigar dezenas de pessoas, em especial nos horários de pico e receber de 03 a 04 ônibus ao mesmo tempo. Este projeto inclusive transpassa a linha das guias para evitar que o passageiro tome chuvas, com o ônibus adentrando sob o terminal.

 

Mas é um terminal de integração?

João Muller: Não, o sistema de transporte urbano de São Carlos permite a integração de duas ou mais linhas, num determinado tempo na própria catraca do ônibus.

 

Mas o preço da obra, R$ 760 mil não está exagerado?

João Muller: Só poderíamos afirmar que está superestimado se tivéssemos acesso a planilha de orçamento da obra. Você sabia que a fundação da obra contém 120 estacas cavadas mecanicamente com diâmetro de 40 cm, com profundidade entre 9 a 15 metros, que numa determinada profundidade surgiu água? Sabia que os terminais consomem só de aço 40 toneladas? Que a empresa tem que pagar seguro, FGTS, INSS, ISS, 28,35% de BDI? Sabia que a definição dos valores unitários é com base numa planilha nacional chamada de SINAPI  (Sistema Nacional de Pesquisa e custos do índice da Construção Civil)? Que a planilha inicial da estimava eram de R$ 809 mil? E tudo isso está no Portal da Transparência da Prefeitura, Tomada de Preços nº 15/2019, lá é possível conferir tudo.

 

Mas com este valor poderia investir em saúde, educação em outras áreas?

João Muller: Não. Os recursos são oriundos da CIDE (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), artigo 149 da Constituição Federal, receita que os municípios só podem investir em Trânsito e Transporte. É a  chamada receita carimbada. Resumindo, não há nenhuma polêmica. Existem várias ações para revitalizar o centro da cidade de São Carlos. O Calçadão está pronto, os terminais estarão no final de agosto, a alteração de local dos boxes do shopping Beira-Rio tem projeto executivo e processo pronto para licitação e a Praça de Alimentação tem projeto executivo e processo à espera da melhoria da economia para ser levado para a licitação. Assim, são escolhas administrativas, algumas em parcerias para não deixar o Centro da cidade degradar.