Sediar a Copa SP é importante, mas São Carlos não pode esquecer do esporte de base

É importante que na agora no momento de retomada de algumas atividades esportivas a cidade de São Carlos se candidate a ser sede da Copa SP de Futebol Jr. Afinal de contas, o evento tem visibilidade nacional e o município tem relativa tradição na área, pois desde os governos petistas sediou o evento.

Entretanto, a pandemia de COVID mudou prioridades e trouxe uma dura realidade para a população são-carlense que foi a alta propagação do coronavírus, as muitas mortes e agora um respiro graças à vacinação em massa que tem derrubado índices, mas isso só será realmente uma política efetiva se todos tomarem a segunda dose e completarem o ciclo vacinal. Por sinal, a própria Copa SP deverá ser um incentivo para segunda dose, pois poderá exigir ciclo completo para as pessoas assistirem os jogos. Bom seria que isso fosse confirmado!

Diante disso, é preciso dizer que sediar um evento importante deste naipe é um acerto, mas São Carlos não pode se esquecer nessa retomada do esporte amador, das equipes amadoras, dos campeonatos de base e da estrutura esportiva que ficou esquecida, de maneira justa, por conta do flagelo da pandemia.

São Carlos precisa de uma política desportiva consistente que seja dedicada à formação de atletas de base, pois são eles que nos darão no futuro algumas medalhas olímpicas. A secretaria também não pode se esquecer do tradicional Campeonato Amador, momento em que os futebolistas da cidade se unem numa ferrenha e animada disputa pelo torneio de futebol mais famoso do município.

É importante que a Secretaria de Esportes pense no macro que é a Copa SP, mas é preciso fazer política também lá na lona, no começo, onde os atletas estão. O esporte, tão importante na vida, e que é relegado de maneira cretina por muitos políticos brasileiros, tem que chegar na casa das pessoas.

Necessitamos que a cidade tenha polos de atividades esportivas. Bom seria, se em cada região tivéssemos uma escolinha municipal de determinada atividade. Já pensou? Uma escola de futebol no Aracy, uma de basquete no Santa Felícia, atletismo na Vila Prado, natação no Fagá, cito estes exemplos de maneira hipotética e sem critério apenas para lembrar o que seria este país e essa cidade se conferíssemos a importância exata que o esporte pode ter como agente transformador na vida do ser humano.

Sediar a Copa SP é legal, temos alguns motivos para ficar feliz com a baixa da pandemia, precisamos nos cuidar, lutar para que todos completem o ciclo da vacina, entretanto o esportes precisa ser olhado da base e não apenas nos momentos de grandes campeonatos. Fica aqui essa breve reflexão sobre o assunto.

Renato Chimirri