Sindicalista não acredita no fechamento da Tecumseh e diz que trabalhadores podem entrar em greve

Greve à vista?

Vanderlei Strano, vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, não acredita no fechamento da Tecumseh. Em entrevista nesta quinta, o sindicalista deu sua visão sobre as demissões na empresa e afirmou que a entidade foi pega de surpresa com os desligamentos na Tecumseh do Brasil. Ele disse que havia uma promessa de que quando ocorressem novas demissões o sindicato seria comunicado. Strano alega que em novembro passado a empresa conversou com o sindicato e depois da ação dos trabalhadores aqueles que foram dispensados receberam um adicional.

A estimativa pela manhã era de que as demissões seriam entre 130 a 150 trabalhadores, porém o sindicato acredita que no período da tarde desta quinta mais dispensas irão ocorrer. “Temos informações de que trabalhadores indiretos também estão sendo demitidos ao longo do turno de trabalho”, afirmou. “Ouvimos à boca pequena que pelo 300 trabalhadores poderão ser mandados embora”, emendou.

Segundo Vanderlei, foram demitidos operários do setor de produção, mas também de outros que são denominados estratégicos como ferramentaria e manutenção. “Vemos isso como uma estratégia, mandam trabalhadores embora desses setores, aproveitam a reforma trabalhista, usam uma terceirização de mão de obra e contratam com salários menores, temos que agradecer aos políticos deste país que colocaram os trabalhadores nessa situação”, aponta.

O sindicalista reclama de falta de diálogo e diz que as pessoas que são escaladas para conversar com a categoria não tem poder de decisão. “Espero que tudo que estejam falando da empresa seja mentira, alugaram um hotel (Nacional) que não deve ser barato, com uma estrutura locada para fazer a demissão, ou seja, não é uma dificuldade financeira e sim uma estratégia da empresa, acho que uma das estratégias é não tem diálogo com o sindicato”, disse.

Vanderlei Strano ressaltou uma situação que julgou curiosa. Segundo ele, os trabalhadores foram levados com transporte para o hotel onde foram comunicados das demissões. “Tem trabalhadores que vem com veículo próprio da planta I e II e esses carros estão lá, estou discutindo com o gerente de RH da empresa para que esses trabalhadores sejam transportados novamente”, revelou.

Questionado se a Tecumseh fechará suas portas, Vanderlei Strano foi enfático: “Acredito que não! Porque estão ocorrendo investimentos, vemos máquinas novas chegando, o que acontece na empresa é reflexo da reforma trabalhista, podem estar querendo usar a terceirização, empregados que tenham uma MEI e temos que tentar evitar, afinal se acontecer serão menores salários, menos condições de trabalho, quando falaram da reforma trabalhista, disseram que era para gerar empregos, os sindicatos alertaram que era um golpe em cima dos trabalhadores, infelizmente poucos acreditaram nisso e agora os trabalhadores da Tecumseh e outros estão pagando para ver”.

Vanderlei Strano convocou os trabalhadores a ajudar os sindicatos a lutar contra a Reforma da Previdência. Segundo ele, se isso acontecer “ninguém mais irá se aposentar, os banqueiros ficarão de bolso cheio e os trabalhadores pagarão a conta”.

O Sindicato dos Metalúrgicos prepara um movimento de protesto contra as demissões na Tecumseh. Strano explicou que isso tudo será feito dentro da lei. “Faremos uma assembleia no dia 6, às 9 horas da manhã no sindicato, e perguntaremos se os trabalhadores aceitam um processo grevista e vamos entregar o aviso à empresa e depois do prazo iniciar uma paralisação na Tecumseh por tempo indeterminado”, finalizou.

Empresa

À EPTV, a Tecumseh do Brasil disse que está na cidade desde 1973 e contribui para impulsionar a economia em São Carlos e região, permanecendo assim ainda hoje, mantendo elevado número de empregos diretos e contribuindo para a criação de outros tantos empregos indiretos, bem como com o desenvolvimento econômico e a capacidade inovadora da região.

Segundo a empresa, para continuar tendo competitividade e manter empregos protegidos empregos em meio a condições de mercado extremamente desafiadoras, a empresa reduziu o seu quadro de colaboradores.  A diz que Tecumseh busca melhorar a competitividade de seus negócios, a empresa reforça o compromisso com o crescimento econômico e a inovação tecnológica no Brasil.