Tarifa de ônibus a R$ 3,50 deverá permanecer por determinado período em São Carlos

O diretor da Suzantur, Claudinei Brogliato, confirmou na tarde desta quarta, 7, que pelo menos 100 carros estarão nas ruas de São Carlos a partir de amanhã. “Todas as linhas serão atendidas”, afirmou.

Durante a coletiva, Brogliato foi questionado sobre o apelido da empresa na cidade ser Sucatur e explicou: “Viemos para cá em agosto de 2016 para passar seis meses, mas isso virou um ano e meio e não recebi as gratuidades e não poderia fazer troca de veículos, agora com o acordo que faço estou oferecendo os veículos e vou receber por isso, mas fiquei um ano e um mês sem receber, como poderia investir? Viemos ajudar o município por seis meses!”

Para Brogliato houve perseguição política com a Suzantur. “Entramos num período eleitoral, foi a pior coisa que poderia ter acontecido, e fomos perseguidos pela política da cidade, eu vejo que o transporte é importante, olhos os sites, é um ônibus que bateu e etc, é inacreditável, precisamos do apoio da imprensa, mas não vejo notícia boa, todos estão convidados a conhecer o que é uma empresa de transportes”, disse.

Ele comentou sobre a intervenção e argumentou que acharam que se tratava apenas de colocar um ônibus, um motorista e um cobrador. “Aí que está o erro, por trás de um ônibus tem quase cinco funcionários, precisamos de uma estrutura, é impossível trabalhar com R$ 3,50, eu disse numa entrevista um valor, daí começaram a falar que eu havia dito, se você pegar uma planilha você chega a R$ 4,40, R$ 4,50, o diesel aumenta todo dia, mas a população de São Carlos não suporta um aumento desse, então estamos concordando  em não aumentar durante 60 dias, mas precisa rever esse preço até para ser de licitação, porque ninguém virá aqui investi R$ 30 ou 40 milhões com uma tarifa de R$ 3,50, isso não se paga”, declarou.

Na visão do proprietário da Suzantur, a licitação do transporte em São Carlos precisa ser resolvida pelo menos em seis meses. “Minha disposição são os seis meses, mas a Prefeitura precisa fazer a licitação, estou aqui para ajudar o município, queríamos ir embora, mas piorou ainda mais essa situação, acho que a iniciativa privada e o poder público dando as mãos fará com que a coisa ande”, ponderou.

Sobre Airton Garcia, Brogliato disse que se o prefeito foi conduzido a algum erro, ele deve reconhecer isso. “Errar é humano, todo mundo erra, ele deveria dizer que tentou fazer algo e não deu certo, acho interessante acompanhar se a empresa é rentável ou não, não tenho nada a esconder, agora preciso ter lucro para poder comprar um ônibus, investir em peças, manutenções, vi três ônibus quebrados na rua, fiquei triste”, observou. “Vou fazer a manutenção nos ônibus e quero até domingo colocar a casa em ordem”, emendou.

Uma equipe de especialistas veio de SP para trabalhar nesta noite com o objetivo de normalizar a situação para a população no dia de amanhã. “Eu preciso retomar esses clientes, a população precisa confiar nos ônibus que estão nas ruas, eles são clientes, quero que eles saiam de casa e o ônibus esteja no ponto”, afirmou.

Sobre funcionários, Brogliato explicou que hoje a empresa tem 380 colaboradores, mas que ela não opera com menos de 450. “Nunca dei um emprego, quem entra é por qualificação, os funcionários vão voltar, está faltando uma parte”, ponderou.

Brogliato não sabe qual o tamanho do prejuízo financeiro que a Suzantur teve com a intervenção realizada pela Prefeitura desde o dia 23 de janeiro e afirmou que hoje entrará na garagem pela 1ª vez depois da intervenção.