Transporte Público pode parar novamente, diz sindicalista

Parar de novo?

Fotos: Jean Guilherme/São Carlos Alerta

Um protesto na manhã desta quinta, 15, no Paço Municipal contou com funcionários que trabalhavam na Suzantur e que foram admitidos durante o período de intervenção da Prefeitura e que agora acabaram demitidos pela empresa.

Os trabalhadores estiveram no local juntamente com o advogado do sindicato da categoria, Amador Bandeira, que não descarta uma nova paralisação do transporte público em São Carlos. Ele informou que desde o início das demissões na empresa o sindicato tem trabalhado e cobrado uma audiência com o Ministério Público em caráter urgente. “Aqui está a documentação, nosso protocolo e denunciamos essas demissões em massa dos trabalhadores”, disse.

Amador Bandeira explicou que houve uma assembleia entre os trabalhadores e que ficou decidido tentar falar com o prefeito Airton Garcia (PSB). Os trabalhadores pedem a reintegração ao emprego e uma garantia até que se realize a licitação definitiva para o serviço na cidade.

Segundo Amador Bandeira, a Suzantur fala em 31 demissões, mas os trabalhadores dizem que foram 50 demitidos. “Não sabemos a verdade, mas na semana que vem a procuradora marcará a audiência e será aberto o inquérito para apurar essa situação, estamos buscando uma negociação com o prefeito para que não haja uma nova paralisação”, disse.

Na visão do sindicalista, quando o município fez a intervenção foram contratadas 81 pessoas. “A Prefeitura não tocou a intervenção, houve uma audiência na justiça para entregar a empresa aos proprietários, o sindicato tentou participar para ter voz, mas não conseguiu, o vereadorzinho Paraná participou dessa intervenção ativamente e quando ele percebeu que o prefeito começou a levar pau, pulou fora”, criticou. “Colocou-se a culpa no sindicato: por que o sindicato não paralisou novamente? Não paralisamos porque estamos com pouca gente e  os estão trabalhando estão amedrontados, os 120 que foram recontratados não querem participar de uma nova paralisação, com uma atitude dessas de parar você resolve mais rápido, então hoje depois da assembleia estamos aqui para falar com o prefeito, mas não sei, se o desfecho não for favorável aos trabalhadores, podemos ter uma nova paralisação”, emendou.

Bandeira disse que todos os trabalhadores da Suzantur foram chamados para a assembleia, mas que somente os demitidos estiveram na reunião. “Contudo, isso não significa que não podemos parar a cidade novamente, pois o prefeito resolveu o probleminha dele, afinal a intervenção foi desastrosa, não que a atitude de intervir não fosse necessária, mas isso precisava ter sido feito com coerência, com técnica e capacidade para tocar a empresa, depois foram com o boné nas mãos entregar para a empresa e não exigiram nada!”, esbravejou. “O vereador não foi na audiência, e ele aqui poderia ter garantido uma estabilidade para os trabalhadores e não garantiu! O sindicato nem soube dessas negociações que aconteceram depois da audiência”, prosseguiu.

De acordo com Bandeira, o sindicato ainda não teve o apoio de quem hoje está empregado na Suzantur, mas ele voltou a falar em paralisação. “Não significa que não pode ocorrer, até por negligência, pois o prefeito poderia ter colocado nessa devolução uma estabilidade até a licitação e não o fez, porque não pensou no povo e no trabalhador, pois pode acontecer outra greve”, destacou.

Amador Bandeira revelou que os trabalhadores atuaram por 44 dias na intervenção e até agora não receberam o tíquete-alimentação. “Isso é uma vergonha, daqueles que trabalhadores que saíram na intervenção, tem gente que não recebeu até hoje, estão fazendo uma besteira em cima da outra, estamos tentando corrigir para que não haja uma nova paralisação em São Carlos”, diz.

O sindicato afirma que foram demitidos motoristas, cobradores, funcionários da limpeza, mecânicos. “Eu acho que o erro maior aqui é do município, foi lá contratou e depois abandonou os trabalhadores”, ponderou.

Amador Bandeira conversou com o secretário Coca Ferraz, do Transporte, e o mesmo explicou ao sindicalista que irá falar com o prefeito Airton Garcia. “De outro lado a empresa irá resistir porque é privada, o município tem que reconduzir esses trabalhadores, porque iremos pedir danos morais ao Ministério Público do Trabalho, eles foram humilhados”, disse.

Bandeira promete paralisar o serviço de transporte se obtiver o apoio dos trabalhadores. “Se tivermos o apoio iremos paralisar tudo outra vez, aí sim que pagará é o povo, por culpa da Prefeitura que faz as coisas nas coxas, deveriam ter olhado que ali tinha 50 pais de famílias, pagaram subsídios que alegavam que não iriam pagar, investiu-se mais de R$ 1 milhão do dinheiro público e depois entregaram a empresa, esse vereadorzinho (nova crítica à Parana Filho) deveria fazer uma CPI para investigar isso, não venha falar do sindicato! Ele disse que o sindicato parou 300 vezes, mas na primeira vez quem parou foram os trabalhadores, peitamos para quem quisesse trabalhar fosse, as únicas greves que fizemos foi a segunda e a terceira porque o vale não havia sido pago”, finalizou.