UFSCar aprova preservação permanente de 47 hectares de Cerrado

Preservação aprovada

No campus de São Carlos, a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) conta uma área de Cerrado em que acontecem atividades de ensino, pesquisa, extensão e lazer. Para garantir a preservação do bioma, a Secretaria Geral de Gestão Ambiental e Sustentabilidade (SGAS) da Universidade solicitou que 47 hectares de Cerrado, bem como seus recursos naturais, não sejam explorados.

A Reitora da UFSCar, Profa. Dra. Wanda Hoffmann, apoiou a solicitação e a inseriu na pauta do Conselho de Administração (CoAd). No dia 23 de outubro, o Conselho votou por preservar  esta área de Cerrado de modo permanente.

“O Cerrado da UFSCar é um laboratório a céu aberto. Nas próximas décadas, este fragmento de Cerrado será um diferencial. Estamos em uma área urbana, no interior do Estado de São Paulo, e temos um fragmento de Cerrado. Para a Universidade, isto se reverte em pesquisas e estudos”, apresenta Wanda Hoffmann, Reitora da UFSCar e Presidente do Conselho de Administração. “Com esta preservação permanente do Cerrado, trabalhamos de forma real pela proteção deste importante bioma”, finaliza a Reitora.

A equipe da SGAS construiu pareceres técnicos sobre as características da vegetação do local e sua importância para a conservação do Cerrado. “Nesta área são realizadas pesquisas em Botânica, Hidrobiologia, Ecologia, Morfologia, Gestão Ambiental, dentre outras. Ressaltamos a necessidade de proteção deste importante remanescente de vegetação de Cerrado, uma vez que no Estado de São Paulo resta apenas 1% da cobertura original de Cerrado”, explica a Dra. Raquel Stucchi Boschi, servidora da SGAS.

Importância ecológica – O Cerrado da UFSCar abriga mais de 167 espécies de plantas. Já foram registradas pelo menos 300 espécies de aves, em torno de 20 mamíferos de médio e grande porte, mais de 20 anfíbios, além de uma grande diversidade de macro invertebrados aquáticos e de plantas, muitas das quais de interesse social para a saúde e alimentação. Como exemplo dos mamíferos, há registros da presença do tamanduá-bandeira, da onça-parda, do lobo-guará e do veado-mateiro.

“A preservação desta área de Cerrado é um exemplo para outras Universidades. Confere à nossa Universidade um ‘selo verde’ de preocupação ambiental. Além da excelência em tecnologia, pesquisa e ciência, também temos esta preocupação ambiental. É um exemplo tanto em nível nacional quanto internacional”, afirma a Profa. Dra. Dalva Matos, do Departamento de Hidrobiologia da UFSCar.

Em apresentação ao Conselho de Administração, a Dra. Roberta Sanches, servidora da SGAS, considerou que “o Cerrado da UFSCar possui alto valor ecológico, científico e educacional. No entanto, está exposto devido à expansão urbana e à proximidade com rodovias. Por esta razão, a Universidade solicita maior proteção à área”, completou.

Proteção do Cerrado da UFSCar – De acordo com o Novo Código Florestal (Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012), o possuidor de um imóvel pode limitar o uso de sua propriedade a fim de conservar ou recuperar recursos ambientais existentes, procedimento que resulta na classificação da área como de “servidão ambiental”.

Este procedimento foi seguido pela UFSCar e, agora, o fragmento de Cerrado da Universidade terá seu uso registrado como de “servidão ambiental”.