Você sabia que a Catedral de São Carlos poderia ser onde hoje é a Praça XV?

Igreja Matriz de São Carlos Borromeu, antes da reforma que mudaria sua torre e fachada para ser Catedral (déc.1910). Acervo APH-FPMSC

DA FUNDAÇÃO PRÓ-MEMÓRIA

Confira a história da Catedral que não foi:

CORREIO DE SÃO CARLOS, 19 de Setembro de 1936

No rol dos melhoramentos em via de rapida realização, em São Carlos, encontram-se os que foram resolvidos na última sessão da Câmara Municipal.

Salienta-se em meio delles, o da concessão de um vasto terreno em que será erigida a nova Cathedral, ponto de honra da admirável administração episcopal do nosso illustre e culto bispo D. Gastão Liberal Pinto. S. Excia., homem de fé, senhor de um invejavel caracter e de uma nobreza de alma sem par, tem dado para a causa da nova Cathedral o maximo do seu esforço, levando sempre para adeante, a idéa da construcção de um novo Templo…D. Gastão assumiu com todo carinho a chefia do rebanho de sua fé, já podemos affirmar que é uma verdadeira a nova Cathedral, que será construida em terrenos comprehendidos entre a Rua 15 de Novembro e suas adjacencias (…)

CORREIO DE SÃO CARLOS, 24 de Outubro de 1936

(…) Uma grande comissão presidida pelo exmo. sr. d. Gastão começará já os trabalhos para acquizição de meios, a fim de que a construcção, uma vez iniciada, não sofra interrupção.

O programma do lançamento da primeira pedra já está delineado: sahirá da Cathedral uma solenne procissão ás 16 horas em ponto, sob a presidencia do sr. bispo Coadjutor e, no local destinado ao novo templo, com a presença do clero, auctoridades publica e fiéis, será benta a pedra, seguindo-se a assignatura da acta e discurso pastoral de d. Gastão.

Espera o exmo. sr. bispo que tanto á missa pontifical de São Carlos, ás 8 horas, na Cathedral, como á tarde, na bençam de pedra, estejam muitos representantes do seu zeloso clero parochial (…)

CORREIO DE SÃO CARLOS, 31 de Outubro de 1936

(…) Estando marcada para o dia 4 de Novembro próximo, dia de São Carlos Borromeu, Patrono desta Diocese, a grande cerimonia do lançamento da Pedra fundamento da nova e monumental Cathedral, nesta Cidade, no Bairro da Villa Pureza, por ordem do Exmo. Sr. Bispo Coadjutor, venho convidar a todos os representantes dos poderes publicos, ao membros do clero secular e regular, aos membros do funccionalismo publico e particular, aos alumnos das escolas públicas e particulares, ás diversas associações e emprezas de indústria e comércio, ás famílias e aos fiés em geral, para as solennidades daquelle grande dia, para a solenne Missa Pontifical, ás 8 horas, na Igreja Cathedral, e para a grande Procissão que, sahindo da Cathedral ás 16 horas, se dirigirá para a Villa Pureza, logar da cerimonia da bençam e lançamento da Primeira Pedra…

CORREIO DE SÃO CARLOS, 04 de Novembro de 1936

(…) É o tope da collina. De lá avista-se parte da cidade, como o casario ondeado sobre as collinas. O sol, por estes dias primaveris, enche de luz a natureza, numa harmonia esplendorosa entre o azul do céo, o casario branco da cidade e o verde dos prados longinquos que a estrada rasga, lá distante.

Parece que daqui, do alto da collina, o céo está mais próximo da terra, tão claro se vê, na immensidão, as nuvens ora immoveis, ora impellidas suavemente pela viração.

É nessa collina da cidade – nesse recanto onde a terra está mais próxima do céo, – que se erguerá futuramente a nova Cathedral de S. Carlos, cuja primeira pedra é hoje com jubilo lançada.

Essa pedra será como a semente de onde brotará uma grande árvore, a Cathedral, – que acolherá os corações piedosos daquelles que vão orar, procurando, em contato com Deus, um pouco de seu infinito Amor, sua infinita BondadE (…)

CORREIO DE SÃO CARLOS, 05 de Novembro de 1936

“A Nova Cathedral”

Consoante noticiámos, realizou-se na tarde do dia 4 do corrente, a cerimonia do lançamento da pedra fundamental da nova Cathedral de S. Carlos.

O novo e magestoso templo vae ser situado na parte alta da cidade (Villa Pureza), onde occupará, com jardins annexos, tres quadras, limitadas pela avenida dr. Carlos Botelho e ruas S. Sebastião, Riachuelo e Aquidaban.

A nova cathedral estilo lombardo-romanico modernisado, terá tres naves, a central de 15 metros de largura e 24 de altura e as lateraes, respectivamente, de 6 metros de largura e 10 de altura. O seu transepto, caracteristicamente romanico, terá a largura da nave central e cerca de 50 metros de comprimento, sendo o seu ramo esquerdo destinado ao curato e o direito ao culto mariano.

A capela-mór, terminada em abside, será encimada por uma grande capola elliptica e nella serão installados o throno, o capítulo e, ao centro, o altar-papal.

Na parte anterior, o portico de accesso dará ingresso aos narthex, e este, a cujos lados se erguem as duas grandiosas torres, de 60 metros de altura, será o ante-corpo da nave central.

Na parte posterior, á esquerda, serão localisadas as dependencias do curato e moradia do cura da cathedral; e á direita as dependencias do cabido, ambas em dois pavimentos, ligadas, nos fundos por uma galeria baixa.

A crypta ficará localisada sob as naves e o narthex. O perímetro abrangido pelo templo e dependencias será aproximadamente de 2.000 metros quadrados.

A sua construcção, excluidos os acabamentos, vitraes, decoração, altares, foi orçada em 2.000:000$, devendo o total attingir a cerca de 5.000:000$000.

É do dr. Durval Ribeiro, joven architecto paulista, o grandioso projecto da nossa nova cathedral (…)

CORREIO DE SÃO CARLOS, 06 de Novembro de 1936

“Monumento”

Monumento sim, e um grande monumento! Grande em tamanho, grande em beleza e mórmente grande em valor moral e espiritual. Grande será a futura Cathedral de S. Carlos. Como uma árvore que germina irá ela crescendo pouco a pouco. Um vegetal para crescer encontra sérios obstáculos que se levantam contra sua existência. Recusam-se a cuidar dele, atiram-lhe pedras e blasfemam contra sua vida. Mas, quando árvore grande e copada se torna o vegetal, todos os que foram contra ela vêm descansar á sua sombra e saciar a fome com seus frutos.

A Cathedral também irá crescendo, vencendo todos obstáculos e mais tarde se tornará abrigo e refúgio para todos que lutaram contra ele.

Magestoso monumento! Será um templo de oração e de piedade, onde o homem estará mais perto de Deusa! Será onde o homem cansado e sem coragem encontrará alívio para suas dores e força para caminhar e vencer nas lutas da vida!

O PROJETO NUNCA SAIU DO PAPEL. CONTA-SE QUE CONFLITOS SOBRE O PROJETO ARQUITETÔNICO TARDARAM A CONSTRUÇÃO E, EM 1945, COM A MORTE DE D. GASTÃO A PROPOSTA DE UMA NOVA CATEDRAL, NO QUE HOJE É A PRAÇA XV, FOI ESQUECIDA.

Foto: Igreja Matriz de São Carlos Borromeu, antes da reforma que mudaria sua torre e fachada para ser Catedral (déc.1910). Acervo APH-FPMSC