Yasmin: essa dor nunca passará!

Yasmin: sonhos prematuramente interrompidos

Qualquer coisa que se diga sobre a morte da jovem Yasmin da Silva Nery não será capaz de mensurar o tamanho da monstruosidade que foi cometida contra a sua vida. Estamos diante de um crime tão impactante como o das crianças de Ibaté que aconteceu nos anos 90, se não estou enganado.

A morte da maneira brutal que aconteceu, com o corpo esquartejado e depois pedaços distribuídos por locais em Araraquara choca a qualquer pessoa, mesmo o mais frio dos seres humanos provavelmente se sentiria impactado com algo tão sombrio e repugnante. Uma jovem que como disse seu pai para a EPTV não ficava duas horas fora de casa e que gostava muito de estudar, tanto que era aluna do Sapiens, um importante colégio da região que prepara seus alunos com competência para os vestibulares, por isso ela não merecia jamais tamanho destino cruel.

O que deu errado? Essa é a pergunta que fazemos.  E, não obtemos resposta, afinal de contas, não criamos os filhos para a gente, mas os criamos para o mundo, para que cresçam e continuem nosso legado, que sejam boas pessoas. É claro que é nosso dever ensinar aos filhos que eles devem crescer com sabedoria e pelo caminho do bem e pelo que notamos a família de Yasmin queria isso a todo momento.

Crimes como esses nos fazem refletir o que vamos fazer com nossos filhos, como cria-los? Vamos prendê-los dentro de casa? É claro que essa não é a solução, a maldade anda à espreita em todos os locais e coisas terríveis podem acontecer até com quem sai muito pouco de casa. O que nos deixa mais perplexos diante deste caso é que vimos o delegado Fernando Bravo, de Araraquara, comentar sobre as declarações do autor. O que será que esse rapaz sentia ao levar a polícia para os locais onde ele perpetrou seu ritual macabro? Sinceramente, a minha revolta é descomunal ao ver uma situação dessas, uma vida cheia de esperanças e projetos sendo ceifados de maneira tão cruel e precoce.

O autor do crime terá que conviver com isso pelo resto da vida e certamente sua existência na terra terá uma cobrança futura (divina, para quem acredita!) sobre este caso tão lastimável e que entristeceu a região inteira.

Não é possível mensurar o tamanho da dor dessa família, não dá para saber o que eles estão passando, os votos de solidariedade que temos dispensado hoje são a única coisa que podemos fazer, são o único bálsamo que temos para oferecer.

A nossa única opção é tentar melhorar como sociedade, mas é impossível prever que uma barbaridade dessas irá acontecer. Talvez, tenhamos que investir ainda mais em educação para que possamos tirar da mente das pessoas ideias como essa. Contudo, não é possível prever o que alguém pensa no íntimo de sua alma, nós como seres humanos estamos completamente prostrados diante deste episódio lamentável.

Que a memória da pequena Yasmin seja preservada e que outros jovens que hoje estão vendo esse crime, se inspirem em buscar sempre o melhor, em lutar para um mundo mais justo e que nunca mais tenhamos que noticiar algo tão triste em nossa região. O luto por esse crime será eterno, a dor jamais passará.

A jovem deverá ser sepultada nesta quarta, 12, dia dos namorados em Araraquara.

À família nossos sentimentos, essa dor nunca vamos esquecer.

 

Renato Chimirri