O Tucura fará falta ao Rádio de São Carlos

Tucura nos deixou aos 57 anos

Eu lembro do Tucura quando ainda ele era Antonio Carlos, o Trepidante, apelido que lhe foi dado pelo também saudoso Cardoso Natal, isso na época em que ele fazia parte da Equipe Titular de Esportes da Rádio Progresso. Tucura era o repórter das transmissões esportivas e estava sempre acompanhando o auge do hoje falecido Grêmio Esportivo São-carlense, o único clube de futebol que realmente empolgou a cidade por algum tempo.

Me recordo que o Cardoso Natal narrava o lance e quando chamava o Tucura abreviava o apelido que ele próprio havia criado. Dizia o Cardoso: “É com você, Trepida!”

O Tucura foi um bom repórter de campo, ele sabia o nome dos jogadores mesmo que os caras tirassem a camisa, coisa que denotava sua perspicácia para cobrir futebol.

Os anos passaram e depois Tucura mudou para a apresentação de programas de variedades sempre com o cunho no que era feito pelas administrações municipais. Embora, estivéssemos em campos ideológicos separados, ele à direita e eu à esquerda, sempre tivemos um cordial e amistoso relacionamento. Muitas vezes ele comentou em tom elogioso textos que eu havia escrito enquanto trabalhava em jornal ou então já neste São Carlos em Rede, o que sempre lhe agradeci quando o encontrava pela rua.

O Tucura enquanto são-carlense está intimamente ligado a momentos importantes e locais emblemáticos de São Carlos, pois ele trabalhou na lendária Lanchonete Pistelli que fazia o melhor Bauru da cidade e um dos melhores do Brasil. De lá, ele surgiu para o rádio.

Como apresentador fez coisas importantes e deixa um legado para os seus ouvintes. Muitas pessoas estavam acostumadas a ouvir seus programas, a acolher suas opiniões e a concordar e também discordar. Nunca vi o Tucura perder a paciência com alguém que não concordasse com alguma coisa dita por ele, isso foi uma das coisas mais importantes que ele fez enquanto profissional de imprensa, posso dizer que ele acreditou na pluralidade, mesmo quando não gostava de determinado assunto.

Lembro de suas passagens pela então Rádio Realidade que fazia oposição ao Governo do PT e agora mais recentemente pelo microfone da Rádio São Carlos onde comandava um programa com o mesmo nome da emissora. Nesta rádio, o Tucura parecia feliz, gostava do que fazia e em algumas vezes ouvi entrevistas que ele fez e publiquei textos dando os créditos ao seu programa, ao contrário do que fazem alguns que usam matérias dos outros e sequer citam a fonte.

Infelizmente, o Tucura contraiu a COVID-19. Passou por um momento muito difícil, ficou hospitalizado por um longo período, teve alta e no dia de ontem nos deixou. Sua partida entristeceu a imprensa local porque é mais um companheiro que se vai, mais uma família que está enlutada em muito delicado da sociedade brasileira. Que pena que o Tucura nos deixou!

Nesta pandemia, perdemos grandes amigos, além do Antonio Carlos Tucura. Foram embora o Augusto Neto, o Oliveira Jr e o Eduardo Precaro, pessoas que faziam o rádio em São Carlos e no resto do país e que neste momento não tem substituto à altura.

É muito triste saber que a imprensa ficou mais pobre e que tantas pessoas conhecidas dos microfones estão partindo tão cedo.

O Tucura fará falta. Ficarão as lembranças do seu trabalho. Para a família, os nossos sinceros sentimentos e que Deus acolha o “Trepida” em sua infinita misericórdia.

Renato Chimirri